Transfofa em Blog

Um espaço especial e pessoal, para dar relevo a cada momento único - Bem Vind@ ao meu Blog!

domingo, Fevereiro 26, 2006

Uma série de perguntas veio à minha cabeça:
- Como podem determinados órgãos de comunicação social continuar a tratar a Gisberta no masculino? Não tiveram hipótese de ver o cadáver? Ou nem sabem informar-se sobre quem foi a vítima? Nem sequer conseguiram arranjar uma foto que fosse da vítima? Será que esta pessoa, da qual posto aqui a foto, alguma vez seria confundida com um homem?

- Será a idade dos adolescentes uma justificação para uma despenalização de um crime destes? Poderá alguém cometer um crime e ter como circunstância atenuante a idade? Cometeram o crime, apesar de inocentes criancinhas (leia-se jovens), terão de suportar as consequências desse acto. De outro modo, futuramente tornarão a inocentemente cometer mais crimes destes, pois sabem que serão desculpabilizados.

- Pergunto-me também que valores lhes estarão a ser transmitidos pela instituição onde estavam, da qual alguns responsáveis têm vindo a público tentar culpabilizar quem foi assassinado, chegando ao ponto de afirmarem que a Gi os assediava? Claro que para alguém na condição dela, o indicado seria mesmo assediar meia dúzia de jovens que segundo parece nem tinham onde cair mortos. É que sendo ela uma trabalhadora sexual, seria de esperar que assediasse quem lhe pudesse pagar.

- Como é possível que não se veja que ela foi atacada precisamente por ser quem era? Uma transexual (ainda cedo que eles pensassem que era travesti, pronto)? Como é possível que falem tanto em homofobia, quando se trata claramente de um crime de transfobia? Ou somos só meia dúzia a ver isso? Ou andará alguém a querer aproveitar-se disso?

- E não ouvi nenhum depoimento dos nossos sempre tão atentos e cuidadosos políticos. Será que era por ela ser apenas uma transexual? É que se fosse uma pessoa, já deviam andar com frases bombásticas na comunicação social. Mas como era só uma trans, na boa... (<--ironia)