Transfofa em Blog

Um espaço especial e pessoal, para dar relevo a cada momento único - Bem Vind@ ao meu Blog!

quarta-feira, Abril 25, 2007

Finalmente tive o (des)prazer de ver uma crítica à reportagem do Expresso. E digo-o, pois infelizmente reparo que existem pessoas que nunca aprendem. Em vez de fazer uma crítica constructiva à dita reportagem, continua a deixar-se levar por mentiras auto-inflingidas e ódios antigos.

De título "O Expresso errou", começa por dizer o que achou positivo. Toda a reportagem está dirigida para a experiência pessoal vivida pel@s entrevistad@s, logo com um registo similar a muitas outras. No entanto ressalva a de um trans masculino, por ser trans e ser homossexual. As outras, segundo o post, "descredibilizam pela inconstância de características pessoais (como variâncias esporádicas na escala de Kinsey)". Não vou comentar esta afirmação, pois vinda como vem de alguém que segundo parece é a detentora final da verdade da Transexualidade (o que quer que isto seja, hehehe), só é verdadeiramente Transexual as pessoas a quem ela dê o seu aval. Também ouvi, no Hospital de Santa Maria, uma teoria parecida (não no seu teor) em que se afirmava que "quem se prostitua não é Transexual". Imagino como devem estar falseadas as estatísticas deste hospital, a existirem.

Passando à frente desta tristeza, continua o chorrilho de imbecilidades. "Também é descredibilizante a afirmação de que os médicos portugueses tratam os Homens Transsexuais como “Transsexuais femininas”, e vice-versa". Descridibiliza esta afirmação dizendo que "aparentemente são a minoria (e felizmente!). " Mais uma vez faz afirmações sobre coisas que ignora, tal como fazia na altura em que atacava indiscriminadamente toda a classe médica, que eram todos transfóbicos, menos conscientes do respeito e dever de reconhecimento da identidade d@s pacientes, e outras coisas piores. A coisa foi de tal maneira que recentemente teve de publicar um post a retratar-se em relação aos médicos de Hospital Júlio de Matos. E pelos vistos não sabe que se se dirigir a um qualquer hospital em que necessariamente terá de apresentar o Cartão de Utente do Sistema Nacional de Saúde (SNS), a GRANDE MAIORIA da classe médica trata @s pacientes de acordo com o género inscrito na banda magnética. Esta deve ter-lhe passado ao lado. Ou então tem uma saúde de tal maneira boa que nunca deve "ir ao médico". Se calhar pela mesma razão que diz que "está impedida de votar".

Volta à carga com a mania que a maioria d@s pessoas Transexuais não se prostitui. Fala em estatísticas do SNS e do privado (nunca vi nenhuma, nunca soube de nenhuma que tenha sido feita, além de que, como atrás disse no caso de Santa Maria, têm muitos critérios bastante discutíveis, além de que só se referem a quem lá vá) que são os mesmos que já afirmaram que em Portugal e contrariando a média estrangeira, existem mais trans masculinos (FTM) que femininos (MTF). Além de que há que esclarecer uma coisa: quando se fala de prostituição, fala-se necessariamente da feminina (MTF), pois a masculina, a haver em Portugal, será de um ou dois casos isolados. Este esclarecimento torna-se necessário pois parece que muita gente ainda não parou para pensar dois minutos sobre isto. Bem, continuando, existem no entanto estudos realizados com a cooperação da ªt que apontam para que 98% DAS Transexuais se prostituam. Como estes dados não interessam pois não vão de encontro com determinados ideais, nunca são referidos nem achados quando se trata de Transexualidade. E depois venham-me com conversas que a ªt nunca fez nada nem nunca quis colaborar. Não tenho conhecimento também de nenhuma associação, nem ILGAs, nem OPUS, etc, que tenham feito alguma vez um estudo, sozinhas ou em participações.

Como tenho sempre afirmado, não é negando a realidade quando não se coaduna com determinados ideais que se chegará a algum lado. A continuação deste tipo de atitudes em nada ajudará à compreensão do que é a comunidade Transexual, nem a que a sociedade à sua volta a comece finalmente a aceitar. É, isso sim, aceitando a realidade e a partir daí, tentar arranjar maneira de mudar as condições.

Mais uma vez, um mau exemplo de informação. mais uma vez uma tentativa de alterar a realidade. Mais uma vez um exemplo de Transfobia dirigido a outr@s de quem não gosta. mais uma vez uma tentativa de afirmar que não existe discriminação, que as dificuldades que a comunidade Transexual sofre não existem, enfim... paupérrimo.