Transfofa em Blog

Um espaço especial e pessoal, para dar relevo a cada momento único - Bem Vind@ ao meu Blog!

quarta-feira, Junho 18, 2008

E lá fomos, num sábado solarento, para a Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova, onde terminavam as jornadas contra a homofobia organizadas pelo Bloco de Esquerda.

Às 15 horas lá começou a mesa redonda sobre transexualidade e transgenderismo, moderada pela activista transgénero Jó Bernardo. Presentes encontravam-se, além de eu própria e da Lara como activistas transexuais independentes, Deborah Lambillote, da Ilga Europa, elementos do Bloco, Médicos pela Escolha, Panteras Rosa, Clube Safo, além de Gabriela Moita, conhecida psicóloga com uma visão orientada para o reconhecimento dos direitos LGBT, e mais algumas pessoas que, sinceramente não faço ideia se representariam algum grupo/associação ou se simplesmente seriam apenas curiosos e/ou apoiantes.

Curiosamente, e apesar de bastantes temas discutidos durante o dia serem muito importantes para a luta LGBT, notou-se a ausência de determinadas associações, nomeadamente da ILGA Portugal e da Opus Gay. No debate T, nem sequer houve uma presença do auto-proclamado “único colectivo português de pessoas transsexuais” (não, não é para rir, autodenominam-se mesmo assim), o Grit, que pelos vistos teima em lutar pelos direitos T pela ausência e fuga ao debate. Devem ser tácticas surrealistas de luta.

Discutiram-se várias formas de luta, definiram-se objectivos, e usufruiu-se de um debate ameno e educativo. De realçar a presença, muito bem-vinda, de alguns transexuais masculinos, coisa que se tem, infelizmente, revelado rara. Foi muito interessante e mais uma vez é de se dar os parabéns ao Bloco por mais uma bem sucedida iniciativa em prol dos direitos trans.

Por falar em trans masculinos, saiu no Público uma reportagem com a opinião de três transexuais masculinos sobre a gravidez de Thomas Beatie. São opiniões pessoais e cada pessoa tem direito à sua, e a minha ficou registada aqui.

Também esta semana veio a público uma notícia sobre uma mulher transexual luso-canadiana que, apesar de ter a sua identificação canadiana toda no feminino e apesar de já ter feito a CRS há uns 16 anos, tem-lhe sido sistematicamente recusado o direito a mudar o nome e o género na sua documentação portuguesa.

Seria de esperar perante tão flagrante e grosseira violação dos direitos humanos, que as associações tão ligeiras a assumirem o T, se oferecessem publicamente para ajudar no que pudessem, nem que fosse por tomadas de posição sobre esta atitude discriminatória e sem sentido algum por parte das autoridades portuguesas. Sim, porque depois de se fazer a CRS, tem-se o direito a mudar o nome e género em Portugal.

No entanto, o que verifiquei foi o seguinte: o Grit, tão lesto a inferir que só os seus membros são verdadeiros transexuais, nem uma palavra fez sair sobre isto. A ILGA Portugal emitiu um comunicado intitulado “Igualdade para gays e lésbicas na Califórnia e na Noruega - Associação ILGA Portugal reivindica fim do apartheid legal em Portugal”. A Opus Gay, reforçando cada vez mais a perca de credibilidade que tem tido (só mesmo os media ainda lhes dão crédito), insiste no mais profundo silêncio sobre estas questões. E as Panteras Rosa pautaram também pelo mais profundo silêncio.

E assim vai a luta pelos direitos T em Portugal: todo este povinho LGB adora associar o T aos seus acrónimos, assumindo a luta contra a transfobia, e nas alturas quiçá as mais necessárias, remetem-se ao mais puro silêncio e indiferença.


[Rússia]
Russos pedem liberação da Parada na Corte Européia
Ativistas gays ligados a organização da Parada Gay de Moscou querem garantir o evento na Corte Européia, já que a prefeitura da cidade proíbe a manifestação.

[India]
Chennai transgender community efforts to create awareness
Transgender community here has come to the forefront in spreading awareness on HIV/AIDS through the medium of folk dance.

[CA, USA]
Threats to officers prompt shootings
Excerpt: One of the roommates, a 58-year-old transgender woman named Gregory Grooms who has a history of mental illness, refused to leave the ground-floor apartment when officers arrived, said Officer Pete Smith, a Stockton Police Department spokesman. Grooms also was speaking irrationally, which caused officers to contact San Joaquin County Mental Health for assistance.

[FL, USA]
Trial slated to begin in gay nightclub killing
This much is known: A man wearing a mini-skirt and high heels was shot in the back of the head outside a restaurant that doubled as a nightclub on Nova Road.